Saúde

Diabetes: comer carne vermelha aumenta o risco da doença? Estudo inédito define a quantidade segura

Pessoas que comem carne vermelha regularmente podem ter um risco maior de diabetes tipo 2 ao longo da vida, de acordo com um grande estudo publicado na quinta-feira no “The American Journal of Clinical Nutrition”. Quem costuma consumir carnes processadas, como bacon, salsicha e embutidos, corre um risco ainda maior.

Reduzir o consumo de carne vermelha e fazer outras mudanças no estilo de vida poderia ajudar muitas pessoas a reduzir o risco de diabetes tipo 2, segundo Xiao Gu, pesquisador de nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard e autor do estudo. Mais de 37 milhões de americanos têm diabetes e 90 a 95% dessas pessoas têm diabetes tipo 2. As taxas da doença — que também pode causar danos ao coração, rins e olhos — estão aumentando nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Para o novo estudo, o cientista e seus colegas analisaram dados de quase 217 mil profissionais de saúde que participaram de três grandes estudos que abrangeram várias décadas. Os participantes responderam a perguntas detalhadas sobre suas dietas e históricos médicos a cada dois ou quatro anos.

Depois de ajustar outros fatores, incluindo a atividade física e a ingestão de álcool, os pesquisadores descobriram que quanto mais porções de carne vermelha as pessoas comiam, maior era a probabilidade de desenvolverem diabetes. Aqueles que comiam a maior quantidade — cerca de duas porções completas (180 gramas) de carne bovina, suína ou de cordeiro todos os dias — tinham um risco 62% maior de diabetes tipo 2 em comparação com as pessoas que comiam menos, que era cerca de duas porções por semana.

O estudo não mostra que comer carne vermelha causa diretamente diabetes tipo 2; mostra apenas uma associação entre a quantidade de carne vermelha que você ingere e o risco de doenças. Mais de 80% dos participantes eram mulheres e 90% eram brancos; os investigadores encontraram apenas uma ligação fraca entre a carne vermelha e a diabetes tipo 2 em pessoas asiáticas e hispânicas, porque o número de participantes nestas categorias era muito baixo.

Mas as conclusões do estudo refletem outras pesquisas que levantam preocupações sobre a ingestão de grandes quantidades de carne vermelha e sugerem que as mudanças na dieta podem ter um impacto. Trocar apenas uma porção de carne por dia por fontes de proteína vegetais – como nozes e legumes – ou por um laticínio como o iogurte também reduziu o risco de diabetes, de acordo com o estudo.

Por que a carne vermelha pode ser prejudicial à saúde?
Ruchi Mathur, endocrinologista do Cedars-Sinai, em Los Angeles, afirma que “a carne vermelha tem prós e contras”. É uma fonte valiosa de proteínas, vitaminas como B12 e minerais como o selênio. Mas também é rica em gordura saturada e “dependendo do processamento, pode ser rica em sódio e conservantes”. “Nada disso é bom para a nossa saúde”, disse o especialista.

Pesquisas anteriores relacionaram a gordura saturada à resistência à insulina em adultos com sobrepeso e obesos. E em estudos com animais, foi demonstrado que altos níveis de sódio e conservantes químicos como nitratos e nitritos, encontrados em carnes curadas, aumentam a inflamação e danificam as células do pâncreas, que produz insulina. As pessoas desenvolvem diabetes tipo 2 quando seus corpos não conseguem produzir insulina suficiente.

A carne vermelha também contém altos níveis de um tipo de ferro chamado heme, que os pesquisadores acreditam que pode afetar a produção de insulina. No entanto, para Mathur , o debate “está longe de estar resolvido”. A maioria dos estudos que mostram uma ligação entre carne vermelha e diabetes em humanos foram observacionais e basearam-se em pessoas que relataram com precisão o que comeram ao longo de um ano. As pessoas que comem mais carne vermelha e são mais propensas a ter diabetes também tendem a ter um índice de massa corporal mais elevado e a ser menos ativas fisicamente, e são mais propensas a serem fumantes, embora os investigadores tentem controlar estes fatores através de modelos matemáticos.

O que as descobertas significam para sua dieta?
Se você come carne vermelha todos os dias, pode ser uma boa ideia reduzir o consumo. Para o autor do estudo, uma porção por semana é uma boa meta.

Embora a maioria dos americanos coma mais carne vermelha do que os especialistas em nutrição recomendam, os dados sugerem que estamos a comer um pouco menos de carne e um pouco mais de fruta do que comíamos na década de 1970, quando começou o primeiro estudo incluído na pesquisa. Mas o consumo de carboidratos refinados e bebidas açucaradas, que também podem contribuir para o diabetes, aumentou. Assim, se você decidir comer menos carne vermelha, o que você substitui é “extremamente importante”, de acordo com Xiao Gu.

Pesquisas anteriores sugeriram que comer aves em vez de carnes processadas poderia diminuir o risco de diabetes. Frutos do mar e produtos à base de soja, como o tofu, também podem ser alternativas saudáveis e ricas em proteínas, assim como fontes de proteína vegetais, como feijão, lentilha, nozes e grãos integrais. Muitos deles também podem ajudar a adicionar ferro não-heme à sua dieta, disse o Dr. Mathur. Uma xícara de lentilhas cozidas, por exemplo, contém 6,6 miligramas de ferro – mais do que a quantidade encontrada em uma porção de carne bovina. É possível considerar também a adição de vitamina C de suco de limão, tomate ou pimentão às refeições para ajudar o corpo a absorver o ferro não-heme. O Globo