Brasil

‘Não sou bandido moça’, diz homem que matou 2 policiais e sequestrou mulher logo após crime

273Visualizações

Parada no cruzamento da rua Joaquim Murtinho com a avenida Ricardo Brandão, em Campo Grande, a condutora de uma caminhonete foi sequestrada. Assim que entrou no carro, o homem começou a dizer que estava nervoso, que havia feito “uma besteira” e, do centro até o bairro Marcos Roberto, contou o brutal assassinato de dois policiais civis. A fuga dele, que começou nessa terça-feira (9), se estendeu até a madrugada (10), terminou com a morte do suspeito.

“Era por volta das 16h30 (de MS) quando ela parou a HRV branca aqui na frente do açougue. Abaixou o vidro e, tremendo, disse que não estava conseguindo dirigir. Eu então pedi para ela parar, peguei uma água e uma cadeira para ela sentar. Nós fomos conversando e ela disse: moço, fui sequestrada ali no centro, na Joaquim Murtinho. De início, confesso que não estava acreditando na história”, afirmou ao G1 o proprietário do local, de 30 anos.

Durante o trajeto, a vítima diz que o homem ficava “dando as coordenadas para ela dirigir”. “Ele falava para ela virar à esquerda, virar à direita e acelerar, o que a fez acreditar que tinha uma moto atrás a perseguindo. No trajeto, ela contou que o homem falou: não sou bandido moça. No entanto, logo depois confessou que tinha matado dois policiais. Até que ele viu uma táxi, a mandou parar, escondeu a arma e desceu”, comentou.

Conforme a testemunha, o endereço onde o bandido ficava a cerca de duas quadras do açougue, na avenida Paulista. “Ela só desceu e então veio parar aqui. Por coincidência, ela falou o nome de uma pessoa, um garagista que estava na frente de onde aconteceu os crimes. Nós ligamos lá e ele confirmou que tinha uma grande movimentação de policiais no local. Depois, pedi pra ela ligar para algum familiar e pouco tempo depois tinha umas 15 viaturas aqui na frente. Fizeram a perícia e todos foram embora”, ressaltou.

Bandido morto em confronto

Ozéias morreu em confronto com policiais, após ter matado dois investigadores — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Ozéias Silveira de Moraes, suspeito de matar dois policiais civis na tarde do dia anterior, morreu no Jardim Santa Emília. Segundo as primeiras informações da polícia, ele reagiu à abordagem, houve confronto, acabou baleado e não resistiu.

Ozéias e um parente eram transportados em uma viatura descaracterizada pelos policiais Antônio Marcos Roque da Silva, de 39 anos, e Jorge Silva dos Santos, de 50 anos, lotados na Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos (Derf).

Os policiais trabalhavam em investigação sobre roubos e furtos de celulares e conduziam os dois presos. Quando passavam na avenida Joaquim Murtinho, Ozéias teria atirado na cabeça dos dois policiais, matando-os e fugindo em seguida. Na fuga, ele ainda teria roubado dois carros. O outro preso foi recapturado em seguida, na Vila Nhá Nhá.

Antônio Marcos estava na Polícia Civil desde 2006 e Jorge Silva desde 2002. A Polícia Civil, a Polícia Militar, a Polícia Rodoviária Federal e diversas entidades emitiram nota de pesar sobre a morte dos policiais.

Policiais mortos quando transportavam presos — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Fonte: G1-MS

Deixe uma resposta

13 − 1 =